Chloe
Female
Portugal
   

<< August 2011 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03 04 05 06
07 08 09 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31



If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed










 
Tuesday, August 23, 2011
caixinha prateada

O meu mundo gira dentro de uma caixinha prateada...nessa caixinha estão os sonhos, as promessas, os sentimentos, a esperança e as pessoas. Mas as pessoas não são só pessoas, são os amigos de sempre e para sempre, aqueles em que não temos frio quando estamos em sua companhia. São aqueles amigos que travam a onda de lama da falta de amor do mundo, são aqueles que nos dão esperança da realidade de amar o outro. Quando estou com eles sinto-me em casa, sinto-me dentro do ventre da mãe protectora, que ama incondicionalmente seu filho, sem motivo ou credo. É por isso que peço aos deuses do céu, do mar e da terra que não afastem de mim quem eu amo…tenho muitos sonhos na vida, mas dos mais importantes é poder ser velhinha e estar junto das minhas libelinhas, minhas acompanhantes e amigas de toda uma vida. Aqui fumaremos cigarros tossindo um catarro já antigo e beberemos chá de maçã e canela ou então moscatel de Setúbal. Sentadas as três moças velhas, nos cadeirões grandes que balançam, tapadas com mantas que cobrem as pernas cansadas. Aqui iremos rir em conversas de tempos de liceu. Aí sim a minha caixinha prateada terá sentido, pois esse momento significará que amei e fui amada….


Posted at 05:40 am by mancha

Border
August 23, 2011   06:15 AM PDT
 
[05:12:07] sandra oliveira: e não te esqueças das águas furtadas em Alfama!! eu também gostava muito, infelizmente não sei que rumos as nossas vidas irão tomar... nenhuma de nós sabe. no entanto, se há alguma coisa em que eu acredito, e de facto elas são poucas, é que aquilo que temos e sentimos não nos vai permitir não ter isso. talvez não da mesma forma, talvez não nos mesmos locais, talvez melhor ou pior, mas acontecerá. porque quando chegar esse tempo específico, é o tempo de estar em casa e eventualmente morrer nela. não descurando, claro, todos os momentos anteriores a esse, que existirão sempre.
 

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments




Previous Entry Home Next Entry